Preencha os campos abaixo e nossos corretores entrarão em contato com você!

Enviado com sucesso!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Fale com nossa equipe de vendas!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Menu
16/05/2014

Renova a sua porta de entrada

Como é a porta da sua residência? Quem a ver consegue imaginar como é o seu lar por dentro? Se ficou em dúvida, talvez seja o momento de você dá mais personalidade a sua porta de entrada e renová-la.

A madeira, claro, é sempre uma opção. Mas é possível apostar em peças ripadas, coloridas, em linha reta. De correr, de abrir ou pivotantes — aquelas que giram sobre um eixo e se abrem para fora e para dentro ao mesmo tempo.

E já que é para fugir da mesmice, os arquitetos da Whydesign, Maurício Arruda, Guto Requena e Tatiana Sakurai, criaram, para um ambiente da edição 2010 do Casa Cor de São Paulo, uma porta formada a partir de dez outras, encontradas em caçambas de lixo. A ideia era chamar a atenção para a necessidade de reutilizar materiais.

Já o arquiteto Fernando Menezes é daqueles que apostam em novos usos para objetos já conhecidos. E como anda encantado com as chapas de aço galvanizado — material normalmente usado nas portas de escadas de incêndio — recorreu a uma dessas corta-fogo para fazer a ambientação de um apê em Ipanema.

— Ela deu a cara urbana que eu precisava para o projeto, evidenciando a essência daquela ambientação — diz Menezes, lembrando ainda duas outras vantagens. — É mais barata que uma boa porta de madeira e mais segura, já que protege, ao menos, contra o fogo.

E teve porta que virou até obra de arte. O artista austríaco Klemens Troggler usou roldanas e princípios da física, como a gravidade, para criar uma porta que abre e fecha com um leve empurrão. A peça está dividida em quatro pedaços e, quando é tocada, a parte de cima se dobra ao meio e a gravidade faz com que ela leve junto à parte de baixo.

É como um origami. As roldanas fazem com que a porta gire, até que, totalmente aberta, fique inteira de novo. Por enquanto, é peça de museu. Mas o artista não descarta a possibilidade de comercialização.

Fonte: Jornal O Globo.