Preencha os campos abaixo e nossos corretores entrarão em contato com você!

Enviado com sucesso!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Fale com nossa equipe de vendas!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Menu
09/10/2013

Governo eleva teto para comprar imóvel com FGTS

Com o objetivo de estimular a economia e, principalmente, o setor de construção civil, o Governo vai elevar de R$ 500 mil para R$ 750 mil o valor máximo dos imóveis que o trabalhador pode comprar utilizando seu saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), tanto à vista como financiado dentro do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), que tem juros menores.

A princípio, a medida deverá valer apenas para alguns estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e o Distrito Federal. Nas demais unidades da Federação, como o Ceará, por exemplo, o valor máximo passará para R$ 650 mil.

A última atualização do teto autorizada pelo Governo Federal aconteceu, em 2009, quando o valor máximo passou de R$ 350 mil para R$ 500 mil.

Regras do FGTS

O FGTS só pode ser usado na compra de moradia na cidade ou região metropolitana onde o comprador já resida ou exerça a principal atividade profissional.

Outra regra importante é que a pessoa não pode ter outro financiamento imobiliário pelo SFH (Sistema Financeiro de Habitação) no país, nem ser proprietário de imóvel na mesma cidade ou região metropolitana. Além disso, o comprador precisa estar há mais de 3 anos sob o regime do FGTS -consecutivos ou não- e o imóvel não pode ter sido objeto de aquisição com o fundo há menos de três anos.

O dinheiro depositado todos os meses pelo empregador na conta do funcionário rende só 3% ao ano mais TR (Taxa Referencial). Portanto, é muito comum ficar abaixo da inflação (6,7% no acumulado dos últimos 12 meses), o que significa que o montante perde poder de compra ao longo do tempo.

Por isso, a dica de especialistas é que o dinheiro deve ser sacado na primeira oportunidade, o que pode ser feito também na demissão sem justa causa e na aposentadoria, por exemplo.

Fonte: Jornal O Estado