Preencha os campos abaixo e nossos corretores entrarão em contato com você!

Enviado com sucesso!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Fale com nossa equipe de vendas!

Verifique os campos marcados e tente novamente.

Ocorreu um erro!

Menu
13/09/2013

Número de imóveis em Fortaleza cresce 70% em três anos

O crescimento de Fortaleza nos últimos anos é facilmente perceptível aos olhos de quem vive na cidade. Bairros que há algum tempo eram pouco habitados, hoje estão entre os preferidos dos fortalezenses, que já formam a 5ª maior população do Brasil.

Entre 2010 e agosto de 2013, o total de imóveis na capital pulou de 711,4 mil para 1,2 milhão. Um aumento de 70% na comparação do período, segundo dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon) e do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci/CE).

Melhoria do poder econômico está entre as causas

“O aumento populacional, aliado à melhoria do poder econômico, inclusive da classe C, pressionam a demanda por moradia”, avalia o presidente do Cofeci/CE, Armando Cavalcante. Segundo ele, a retomada do crescimento de um país como o Brasil com déficit crônico de habitações, conduz naturalmente os investimentos para a área imobiliária. Principalmente quando a oferta de crédito barato e de longo prazo viabiliza o acesso à casa própria a todas as classes econômicas. “A tendência é continuar crescendo”, aposta ele.

Evolução

Entre os bairros com maior evolução imobiliária, destaque para Guararapes, Cocó, Luciano Cavalcante e Lagoa Redonda. De acordo com o professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), José Borzacchiello, esse crescimento é resultado do maior estoque de terras nesse setor da cidade. “Era praticamente tudo descampado”, lembra.

Por outro lado, Borzacchiello analisa que trata-se de uma área estruturada ao longo de um dos corredores de atividade mais importante de Fortaleza: a Avenida Washington Soares. “Ademais, localizam-se também nesse setor grandes equipamentos comerciais como shoppings centers, universidades, fórum e colégios”, salienta.

Informações: Diário do Nordeste